Arquivo do mês: julho 2015

Imitação

Por esses dias ando lendo um livro de moda que está fundindo minha cuca demais da conta. A publicação se chama Moda e Psicanálise, cujo autor é Pascale Navarri. Entre diversas questões tratadas de modo analítico e prático, o livro fala sobre imitação no mundo da moda.

Daí você diz: “a, mas eu já sei que eles imitam bastante no universo fashion, que as marcas copiam umas as outras, que hoje em dia original é raridade, você não precisa me explicar”. Não pequeno gafanhoto, não é desse tipo de imitação que me refiro.

Quero comentar sobre a imitação entre indivíduos. Por exemplo: quando você era criança e achava sua mãe o ser mais elegante e maravilhoso do universo, queria vestir as roupas dela, calçar os sapatos dela, repetir seus gestos… Você agia assim porque admirava aquela pessoa.

Daí, na adolescência, você virou um “rebelde sem causa” e decidiu que imitar sua mãe não era mais um bom negócio. Agora, a onda era querer ser como seu artista favorito, ou como a menina mais popular da escola. Você tentava reproduzir as roupas pretas e os piercings dos roqueiros, por exemplo.

Chegando na idade adulta você entendeu que era viagem querer ser como os populares da escola ou das paradas de sucesso. Começou a querer ser como seus colegas de trabalho ou como seu chefe. Mudou o guarda-roupa do dia a dia e enfiou nele roupas que estão de acordo com sua profissão.

Por que fazemos isso? Simples. Agimos dessa forma para: nos afirmar perante à sociedade, pertencer ao círculo social ao qual estamos inseridos, ou tentando nos inserir desesperadamente, agradar os dominantes presentes mo grupo do qual já fazemos parte para afirmar nossa capacidade de pertencer, etc.

E, como a moda é um veículo de comunicação poderoso, entendemos intuitivamente que se nos travestirmos como os personagens que admiramos ou cobiçamos, esse processo de pertencimento será mais fácil, apresentando resultados interessantes de forma rápida já que, com as roupas certas, imitando as pessoas certas, representaremos quem queremos ser.

O problema de apenas imitar, não colocando pitadas mínimas de personalidade ás escolhas feitas, é que podemos acabar perdendo nossa personalidade virando apenas replicadores de tendências oriundas dos maus variados universos. A pessoa se perde em um buraco de minhoca a parte legal da moda que é proporcionar auto-estima e unicidade.

De certo modo, estamos sendo programados para isso de uma forma que não somos capazes de perceber exceto se pararmos um pouco a correria para prestar atenção nos sinais. Esse mundo de fast fashion, onde 500 mil calças jeans exatamente iguais são lançadas ao mercado semanalmente, trabalha para a imitação pela imitação.

As macro tendências, os “must have”, as listas dos “dez mais” publicadas pela mídia também não ajuda na hora de se libertar desse ciclo vicioso. Elas apenas colaboram para a ideia de que, se não andarmos como as pessoas mais bem sucedidas que conhecemos, não seremos bem sucedidos como elas.

Então, você leu este texto esperando que eu dê a solução para o problema? Pegadinha! Ainda não sei qual solução adotar, inclusive para mim, que, em maior ou menor grau, também já imitei e imito outras pessoas. O que posso aconselhar é que, entre uma troca de roupa e outra, você mantenha seu pensamento crítico em dia.

Ás vezes a moda é tão perversa que te insere em um sistema sem te perguntar se você quer entrar na brincadeira, ou não. Por tanto, fique atento e tente conservar a porção de você que ama usar calça jeans branca com rasteirinha simplesmente porque você se sente bem, não dando a mínia para o que seus ídolos vão dizer.

Deixe um comentário

Arquivado em Comportamento

Marc Jacobs

Este post não é importante. Não mesmo. Na verdade, é preguiço pra caramba.

Enfim, é só pra apresentar pra vocês a campanha babado para o Outono/Inverno 2016 do estilista americano Marc Jacobs.

Detalhe: uma das estrelas da campanha repleta de famosos é Winona Ryder, atriz que, já algum tempo foi acusada de pegar emprestado sem avisar à ninguém (roubar) peças desse mesmo estilista.

Enfim, deleitem-se!

Winona Ryder para Marc Jacobs

Jamie Bochert para Marc Jacobs

Sofia Coppola para Marc Jacobs

Christy Turlington para Marc Jacobs

Kim Gordon e a filha para Marc Jacobs

Cher para Marc Jacobs

Willow Smith para Marc Jacobs

Anthony Kiedis, da banda Red Hot Chili Pepper, e o filho para Marc Jacobs

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized