Arquivo do mês: setembro 2013

Inspiração: azulejos

Olá gurias e guris, como é que estão hoje, último dia de setembro?

Eu de cá vou bem. Trouxe hoje uma tendência que vocês devem estar amando e odiando; era um negócio bonito, mas de tanto aparecer em diversos lugares, acabou ficando feio: roupas com estampas de azulejos portugueses. Não sei exatamente da cabeça de quem veio essa ideia, mas sei que grudou no corpo das garotas mais antenadas por algum tempo. E agora, bom, agora algumas garotas continuam amando. Por isso acho que ainda é válido falar.

Começo os trabalhos falando dessa garota que ousou sair para a vida toda trabalhada no azulejo. É bem verdade que o modelo escolhido é um tantinho moderno, já que a saia é super ampla, cheia de babados e totalmente estruturada. Apesar de achar o vestido legal, penso que devemos tomar cuidado quando apostamos em tanta modernidade.

Um moderno e romântico vestido.

Um moderno e romântico vestido.

O próximo exemplo é uma garota que está usando blusa amarela mostarda, compondo maravilhosamente bem com o Scarpin azul caneta e a bolsa em um amarelo mais aberto. A calça é o ponto alto da produção, já que é estampada com os famosos azulejos. Repare que, apesar das cores fortes nas outras peças que compõem o look, elas conseguem ser discretas porque conversam bem entre si. Fica um resultado alegre sem ser afetado.

Passeando alegremente.

Passeando alegremente.

Por último, o visual que mais me encantou. Acho que esse é o look que eu conseguiria usar no meu dia a dia. Não é que eu não goste de vestidos ou de cores, mas acontece que prefiro cores mais escuras e vestidos com modelagem mais sequinha. Enfim, voltando, essa garota coordenou um jeans podrinho com uma blusa soltinha de azulejo. A bolsa é bem pequenina, só para carregar o básico mesmo. Gostei, e vocês?

Bom para o passeio.

Bom para o passeio.

Deixe um comentário

Arquivado em Inspiração

Som de sexta: Camille Dalmais

Pessoal, não sei se contei para vocês, mas já encontrei bandas e músicas muito legais nos filmes de animação. Desenho, sabe assim? Gosto desse tipo de longa porque me faz rir e o som de hoje foi tirado de um deles. Especificamente de Ratatouille (2007) que conta a história de um rato cozinheiro. A canção é da artista francesa Camille Dalmais.

A cantora.

A cantora.

Não falo francês, mas morro de vontade de aprender a língua, portanto não sei de que a canção Le Festin, a do filme, fala. Mas o ritmo é cativante e alegre, me dando vontade de ouvir a música muitas e muitas vezes. Olhando melhor o trabalho de Camille, percebi que, apesar de ter uma voz bem agradável, é adepta de algumas experimentações, coisa bastante interessante. Se tiver tempo, procure outras músicas da cantora, valerá muito a pena. Então, com vocês Le Festin!

Deixe um comentário

Arquivado em Som de sexta

Salva pelos lenços removedores

Dia desses estava eu indo de uma consulta médica para um compromisso super importante. Eis que, nesse momento, olho para minhas mãos, focalizo minhas unhas e percebo que não estão nada apresentáveis. Ai, me lembrei que li em milhares de blogs sobre uns lencinhos removedores de esmalte. Como ia passar por uma farmácia no caminho, resolvi comprar.

O escolhido foi da Oêane, fragrância Acqua Breeze. Logo que comprei, me sentei em uma praça para remover a cobertura que já não estava boa (pausa para imaginar a cena da pessoa maluca tirando esmalte no meio da rua, foi hilário para quem viu, não duvido). Então, eu detesto cheiro doce, escolhi essa esperando uma fragrância mais fresca. Minhas expectativas se confirmaram.

Conheçam o potinho.

Conheçam o potinho.

Meu esmalte era bem escuro, então gastei cinco lenços para tirar a cobertura de todas as unhas. Um número até razoável se pensarmos que a embalagem vem com 25 unidades. Os lenços não são super finos, o que possibilita que uma pressão maior seja aplicada sobre eles e sobre a unha. Não se romperam. E a unha fica bonita mesmo depois do esmalte; nada de ressecamento em branquidão nas patinhas.

Como eles são "por dentro".

Como eles são “por dentro”.

Um ponto negativo: gente, o negócio é muito oleoso! Parece até que você colocou sua mão na gordura. Os dedos ficam brilhando como se você acabasse de comer uma coxa de galinha. Ok, eu não como carne, mas sei que é assim que fica. Acredito que essa oleosidade toda seja porque o produto hidrata um pouco a pele, o que é bom. Mas se tivesse menos óleo seria melhor.

Outro ângulo do potinho.

Outro ângulo do potinho.

Resumo da ópera: os lencinhos quebram um galho danado naqueles dias em que suas mãos precisam estar apresentáveis, e não estão. Mas é um quebra galho. Bom mesmo e tirar o esmalte velho com um removedor potente, que não deixe as unhas destruídas. Mas vale a pena carregar um potinho desses lenços da Ocêane na bolsa. Eles salvam a pátria nos momentos de desespero!

Desculpem por essas fotos estranhas. Os dias estão bem corridos.

Desculpem por essas fotos estranhas. Os dias estão bem corridos.

Deixe um comentário

Arquivado em Beleza

Inspiração: borboletas

Oi galera feliz e contente que lê este blog, tudo bem?

Hoje estou assim, animada, porque já estamos na primavera. Uma estação linda, cheia de flores para deixar nossa vida mais feliz. E, como flores me lembram borboletas, hoje vamos nos inspirar vendo alguns exemplos de como pegar essas lindezas e colocar no look nosso de cada dia.

Começo os trabalhos apresentando uma forma de usar o bichinho como acessório. Pode ser que você ainda não queira investir em uma peça povoada por borboletas, mas pode ir se animando adquirindo um cordão como esse, com uma linda e grande borboleta azul. Ou, quem sabe, anéis de borboleta. São lindos e super estilosos.

Um colar.

Um colar.

Aí, depois de se apaixonar pelos acessórios com esse motivo, já é hora de apostas mais ousadas como, por exemplo, essa blusa com a estampa única de uma enorme borboleta. Repare que, mesmo que a estampa já tenha personalidade, nossa garota apostou em uma cor forte para combinar, o amarelo. Não achei que ficou muito assustador, penso que o resultado foi harmonioso.

Uma blusa.

Uma blusa.

Por fim, depois de já estar enlouquecida pelas amigas que voam, é hora de tentar um visual totalmente povoado por elas. Olha só essa mocinha de vestido de borboleta como está fofa. Repare que o modelo aqui é bem limpo, reto, dando destaque mesmo para a estampa. Os acessórios que acompanham, apesar de coloridos, também são limpos, contribuindo para o destaque completo da estampa.

Totalmente borboleta.

Totalmente borboleta.

E aí, prontas para arrasar no melhor estilo “borboleta” de ser?

Deixe um comentário

Arquivado em Inspiração

Som de sexta: Nando Reis

Essa semana foi bem intensa para mim, mas tudo bem porque eu sobrevivi e estou aqui, linda e ruiva, conversando com vocês. Mas, diante de tanta ventania, aprendi que para ficarmos de pé de vez em quando é melhor olhar para dentro e pensar no amor. Deve ser por isso que escolhi esse som, do Nando Reis: Mantra.

Nando Reis e sua turma da paz.

Nando Reis e sua turma da paz.

A música fala que, depois que perdermos tudo, ainda teremos o amor, que vai nos levar para cima, fazendo que nos transformemos em pessoas melhores. Sabe gente, eu acho mesmo que essa vida é muito curta para ficar semeando ódio, apesar de ainda não ter conseguido me livrar da minha ansiedade crônica. Mas, sigo tentando. E cantando. Sempre. Esse e o único caminho que conheço.

Deixe um comentário

Arquivado em Som de sexta

A Primavera/Verão 2014 de Oscar de la Renta

Quando vi os primeiros looks do desfile de Oscar de la Renta durante a Semana de Moda Primavera/Verão 2014 de Nova York, fiquei assustada. Onde estavam os vestidos estampados exuberantes dignos de tapete vermelho? Via apenas roupas pretas, com cortes precisos lembrando peças de escritórios. Agora é tendência entre alguns estilistas fazer roupas que vendem, mas não empolgam. Eles se esquecem de que, se a plateia quiser mesmo ver “roupa que vende”, vai até qualquer fast fashin e vasculha as araras. Simples assim, ou será que estou errada? Os desfiles ainda são lugares de espetáculo.

Mas meu espanto não durou muito tempo; logo a simples passarela branca foi o palco para vestidos que transbordavam feminilidade. Como é habitual nas criações de Oscar de la Renta, os espectadores puderam ver muitos jardins para diversos tipos de mulheres.

Branco e azul.

Branco e azul.

Oscar pode fazer jardins diferentes para mulheres diversas, sem parecer exagerado ou inconveniente. Acho que, diferente de outros tantos, esses vestidos não tem a pretensão nítida de despertar desejo, como alguém que desesperadamente pedem atenção. Só passam desfilando, simplesmente lindos.

O espaço para looks totalmente brancos, leves como o verão, não foi negado. Quando vi essas propostas, cheias de rendas e transparências, fluídos, que acompanhavam as modelos, me imaginei andando, sem pressa, pelo calçadão de Ipanema em um lindo e quente por do sol, dentro de um deles.

Talvez meu sentimento seja compartilhado por muitas garotas que veem no branco não apenas uma corta casta. É genial quando um criador consegue transportar uma obra de seu lugar de origem para o lugar do outro. Conseguir que o público tenha essa identificação com as peças é o que provoca o frisson.

Flores em meu jardim.

Flores em meu jardim.

O branco dividiu graciosamente espaço com verdes, corais, azuis, amarelos e o amado preto. Apesar de já povoarem o imaginário fashion, continuam arrebatando corações. Principalmente porque irradiam calor já que, nesse caso, até o azul e o preto conseguem ser quentes. Culpa das modelagens ousadas.

Comprimentos médios e longos estiveram em destaque, andando de mãos dadas com cinturas marcadas e saias amplas lembrando o tão revisitaddo New Look, de Dior. Afinal de contas, não é a quantidade de pano que cobre uma mulher o definidor absoluto de sua capacidade de sensualizar.

Mesmo que eu tenha amado ver esse caldeirão de referências, interessantes e estimulantes, mostrando o conhecimento de Oscar de la Renta, acho que, ás vezes, é bom criar conexões entre referências, mostrando ao público que o estilo “diva de ser’ pode sim colocar o pé no asfalto, ao invés de frequentar apena as cerimónias conceituais e badaladas.

O vestido eu já tenho, falta o noivo.

O vestido eu já tenho, falta o noivo.

Nos últimos looks, foi possível conferir releituras de vestidos de noivas, especialidade do estilista. Destaque para os véus pretos, que deram um ar de mistério ás criações. A simplicidade ficou por conta dos acessórios: sandálias abertas de salto médio e clutchs discretas que agradam sem esforço. Meu olhar parou mais tempo em um dos modelos que fecharam o desfile. Marcante, amplo, com rendas pretas e de tecido verde abacate. Se eu estivesse próxima de me casar, acho que adoraria entrar pela igreja “divando” naquele modelo. Mas, ainda me falta um detalhe: o noivo.

Com tanto glamour, quase não prestei atenção na trilha do espetáculo, que ficou por conta de Here Comes the Sun, dos Beatles. Um som leve, que cumpriu seu papel: ser pano de fundo para que os vestidos fossem personagens principais. Em minha opinião, até agora este desfile foi a melhor surpresa de Nova York, que de tão comercial pode acabar ficando chata.

Deixe um comentário

Arquivado em Moda

E eles descobriram o Brasil!

Ela está chegando!

Ela está chegando!

Sim, eles descobriram o Brasil mesmo. E não estou falando aqui de Cabral e sua patota, que não descobriu nada já que nossos antepassados já estavam nessa terra quando ele desceu suas botas da nau. Falo dos Fast Fashion internacionais. Depois de Zara e TopShop, que desembarcou em abril, as próxima serão Gap e Forever 21.

Acho legal que essas grandes empresas do vestuário tenham visto que em nosso país habita uma gigantesca massa de pertencentes da classe C, havida por consumir como se estivesse na classe A, pagando o mínimo por isso, tudo em suaves prestações. Mas, acabou que essa chegada me fez refletir um pouco sobre esse panorama.

Lá fora, é possível comprar uma roupa dessas lojas por preços super camaradas que, mesmo sendo pagos em dólar, continuam sendo convidativos e sedutores. É bem verdade que eles diminuem os custo com uma boa dose de trabalho escravo, coisa que não acho nada louvável, mas fato é que você renova seu guarda-roupa todinho sem gastar quase nada.

Aqui no Brasil, os impostos são alto demais da conta. E, pior, são mal aproveitados dentro do sistema. Por isso amigas e amigos, não se animem; quando essas lojas forem inauguradas você não poderá comprar muitas coisas de uma vez só. Se você preza a saúde do seu bolso, embarque devagar nesses templos fashion do consumo. Dica de mãe, guarde com você!

Deixe um comentário

Arquivado em Moda, Negócios